Archive for dezembro, 2010

2011

quinta-feira, dezembro 30th, 2010

Que a esperança de todas as pessoas para 2011 seja a paz e o bem, antes de qualquer coisa. Que Jesus,  que sabe e pode tudo, encontre espaço no coração de cada um para lembrar  que precisamos aprender a lição… o amor alimenta a paz e o bem… que trazem felicidade de monte para quem experimenta. A vinda de um novo ano, junto com a mágica do recomeço, é uma boa oportunidade para  tentar… e descobrir que vale a pena.

Eu acredito que o amor pode tudo. E sei que, começando pelo amor, tudo pode ser no Ano Novo.  Então, que venha 2011… e que seja muito bem vindo.

Pedido para o Papai Noel

quarta-feira, dezembro 29th, 2010

Por muitos Natais pedi ao Papai Noel que  me trouxesse pelo menos um pouco da fé que eu via em algumas pessoas, mas  a mim parecia distante e inatingível… e nada. Desde que me conheci por gente me achei  ignorante com relação a ter fé…  até que um dia eu percebi que simplesmente ela estava no meu coração. “Não mais que de repente”, como disse Vinicius de Moraes e sempre repetia a minha mamy, eu sou guiada pela fé. Exatamente quando eu parei de tentar aprender, descobri  como é bom saber que Deus está sempre cuidando de tudo… e que mesmo que as coisas dêem errado, elas dão certo… sem nenhuma dúvida.

Deus corrige os nossos desejos… Ele ajuda a gente a sonhar, mas quando vamos conquistando, Ele vai “ajustando” essas conquistas para o que realmente precisamos e merecemos. E tudo que eu mais acredito é que só depende da gente aceitar e confiar nesses ajustes. Ele sabe o tempo e o lugar.

 

Saudades

quarta-feira, dezembro 8th, 2010

“Se você soubesse a falta que me faz…
Se você soubesse, voltaria. E não morreria nunca mais.”

Sinto falta da minha mamy o tempo todo… até quando acho que não penso nisso. E me lembro que sempre nessa época, por perto do Natal e Ano Novo via ela chorando pelo meu avô… e perguntava como podia doer ainda depois de tanto tempo, para ouvir a mesma resposta… a saudade, depois de trinta anos, dói como no primeiro dia… talvez um dia você entenda.
E há dez anos eu entendo exatamente o que ela sentia. Dez anos é tempo demais sem poder dar um abraço na minha mamy. Um mês já foram muito tempo.
Além do abraço, queria ainda poder dividir com ela o bom e o ruim que vivi “sem economia” por esses anos. Além do muito que já tenho,  queria que a Dona Marieta estivesse aqui para me dar mais de tudo que ela foi. E se Deus me der o presente de ser mãe, que Ele me faça pelo menos a metade da mãe que a minha mãe foi para nós.
Minha mamy me ensinou a “dizer sentimentos”. E graças a Deus eu disse muitas vezes a ela o tamanho do meu amor. E o tamanho da mulher e da mãe que, para mim, ela foi: grande… maior… enorme… o máximo. Agora acho que o “máximo” que eu pude dizer foi pouco… pelo tamanho da falta que ela me faz.
Espero que minha mãe esteja em paz e feliz, e que possa estar por perto de vez em quando, para continuar me ensinando a ir em frente e levantar dos tombos que ainda e sempre acontecem.
E que a Dona Marieta sempre esteja certa de “como é grande o meu amor por ela”… e que devo e vou agradecer todos os dias pelo TUDO que ela me deu.