Archive for janeiro, 2012

Eu gosto…

quinta-feira, janeiro 5th, 2012

Eu gosto do meu cantinho de ser gerente de projetos… que é meu porto seguro… e que eu amo de paixão apesar da “Dúvida de Moça” que insiste em rondar minha cabeça e coração.

… e esse Blog emprestado da Coisa de Moça… que me permite dividir, com quem “possa se interessar”, a descoberta de  que tudo que se vive é um presente… e cada coisa tem a sua razão de acontecer, apesar da nossa GRANDE ignorância, inclusive de achar que estamos sozinhos.

 

 

Ouvir estrelas

terça-feira, janeiro 3rd, 2012

“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto…

E conversamos toda a noite, enquanto
A via láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.”

Olavo Bilac

Eu ouço e entendo estrelas… graças a Deus.

Mesmo quando não quero… porque nem tudo são flores nessa vida de gente normal, que ama do fundo do coração e não “da boca pra fora”.

E essa gente que ouve estrelas não escapa dos momentos de achar que a vida é feia.

Mas essa “impressão” passa, assim que se aprende a lição. Para “essa gente” que também é canceriana, demora “várias lágrimas mais”, tenho que dizer.

Ser gente que ouve estrelas é o que faz essa vida valer toda a pena que ela sempre traz nas “linhas tortas” sobre as quais Deus escreve. E tenho certeza absoluta que só ouvindo estrelas é possível encenar “com louvor” a história escrita nessas linhas, mesmo que a gente as tenha entortado “com louvor” também. E sabemos fazer isso, vamos combinar?

 

Mais uma vez, lembranças da minha querida mamy… que recitou essa poesia muitas vezes durante o tempo em que pudemos estar juntas, graças, graças, graças a Deus.

E muito mais importante do que essa poesia, ela ensinou a mim e à minha Fê querida a ter ouvidos capazes de ouvir e entender estrelas.