Archive for agosto, 2012

O “meu” Ro

domingo, agosto 12th, 2012

Eu tinha quase 15 anos quando conheci o Ro, e fui perdida e completamente apaixonada por ele até mais os menos os 20. De menina que eu era, passei a ser uma mulher… consegui meu primeiro emprego, uma profissão, saí de casa e fui à luta literalmente por tudo que eu queria para mim, graças e sempre com a ajuda de Deus. Mas como nem tudo que eu queria para mim dependia dessa minha luta, apesar de tudo fui cada vez mais para longe dele, mas nunca deixei de pensar no Ro… quase todos os dias.

Depois , como quase tudo passa nessa vida, foi passando o forte do sentimento, que “quer porque quer e pronto”, e acreditei que “‘não era para ser”… que o Ro não faria mesmo parte dos próximos anos das “minhas histórias”.

Mas antes disso… como eu amei, do meu jeito de menina quase mulher, esse Ro. As minhas apostilas da Etel tinham em quase todas as páginas escrito seguidamente: “Ro Ro Ro Ro Ro Ro”… coisa de adolescente e prova absoluta de que eu não prestava mesmo a menor atenção nas aulas de Teleco, TV e “eletrotudo” do Geraldinho… mas com o Ro sonhava o dia inteiro.

Apesar de tanto “amor”, nessa época e quase sempre, estivemos distantes. Da minha parte, só fisicamente. Na verdade, nunca consegui, apesar do meu desejo e esforço, ser a namorada do Ro. Foi um tempo difícil para ele e para todos que o amavam menos, mais e como eu. E eu sofri junto e longe desse Ro… aprendi direitinho o que era saudade. Entendi infelizmente bem cedo como o mundo e a vida às vezes podem ser muito injustos, e como é bom poder estar perto de quem se ama. Também aprendi como dói estar longe de quem se ama, e como dói mais ainda ver esse alguém sofrer sem poder fazer nada além de pedir a Deus força e coragem para ele e para mim.

Talvez com tudo isso eu não tenha amadurecido o suficiente para aprender o que é amar, mas aprendi o que é amor, com certeza, graças a Deus e ao Ro.

Mas como acabei de dizer, “quase” tudo passa. Amor de verdade, eu acho e espero que não. E se foram 19 anos desde a última vez que vi o Ro quando, alguns dias atrás, me vi  num abraço apertado e muito feliz… com ele. Parece que o tempo não passou. Parecia que eu ainda era aquela “moleca” olhando para os olhos azuis que sempre estiveram pelos meus pensamentos, e ouvindo a risada gostosa que sempre me encheu de alegria… mesmo sem nenhum motivo para rir.

Eu com 39 anos… cheia de histórias para contar e para ouvir do “meu” Ro, bem ao meu alcance… inacreditavelmente feliz encontro, e inacreditavelmente difícil deixar ele ir embora. Duas horas se passaram em dois minutos, e eu me despedi dele morrendo de medo de passar mais 20 anos sem eu sentir de novo essa alegria: estar perto de quem eu gosto tanto, apesar do tempo e de tudo que vivemos de diferente… sensação de “volta para casa”.

 

 

“Ro, espero que não passe todo esse tempo sem eu te ver outra vez. Respondendo de novo a sua pergunta, fiquei muito feliz de verdade, e estive com o mesmo Ro que “passou” pelo meu passado e vive nas minhas lembranças mais queridas. Percebi que tudo muda, menos o amor que é de verdade.

Obrigada mais uma vez por duas horas tão felizes. Obrigada pelos mesmos olhos, pela mesma voz, pelo mesmo riso e por ter trazido até uma Celia meio “cansada” o mesmo Ro que me encantou a 20 anos atrás. Gosto mesmo, muito, de você.”

O amanhã

quinta-feira, agosto 9th, 2012

O bom da vida é saber que apesar de hoje existe o amanhã…

… porque Deus dá para as pessoas, mesmo as mais “lesadas”, como eu, a cada 24 horas, a oportunidade de olhar as coisas de outro jeito… e assim, começar de novo, quantas vezes for necessário.

Tudo de bom, isso… o amanhã. 🙂

Só para dizer que ainda estou aqui… :-)

terça-feira, agosto 7th, 2012

“Ame a todos.

 Confie em poucos.

 Não faça mal a ninguém.”

                           William Shakespeare