Archive for outubro, 2012

Desejos…

sexta-feira, outubro 26th, 2012

Guilherme Arantes. Esse cara sabe das coisas… e sabe falar e cantar a vida de um jeito que me encanta.

Me faz pensar no quanto Deus é perfeito… por “fazer” gente  com o “dom” de ajudar o outro a entender e aprender o que é preciso. “Gift” é a palavra em inglês… “presente de Deus” para todos que quiserem “dar” e “receber”.

Guilherme Arantes falando de desejos… com o mesmo talento que tem para falar de amor. E fica a dica: sem voar e sem cair, a vida não tem a mínima graça. “Coisa mais linda do mundo”, esse Gulilherme.

… “euzinha” mais vôo e caio do que vivo… mas é bom.

“Taça de veneno

Os excessos tentam diminuir tudo que nos falta, sem conseguir.

Vontades fazem de um rei um escravo quando põe o mundo atrás das grades.

São as forças que nos podem matar, são fraquezas que nos podem salvar.

Erros são certos para sermos únicos, defeitos se confundem com virtudes.

Todos precisam de um veneno para encher a sua taça de desejo.

Todos precisam de um desejo para encher a sua taça de veneno.

Mas com medo não se vive, com receio não se vai.

Com a dúvida, não se arrisca, não se voa, não se cai.

Curto é o caminho dos covardes.

Triste é o riso dos ignorantes.”

 

64 anos… e mais saudades…

quarta-feira, outubro 10th, 2012

Hoje minha mamy estaria fazendo 64 anos.

Como eu queria ver ela ficar velhinha… e rir muito disso junto com ela, como quando ela fez os tão temidos 50.

Meio século, como ela dizia. Que velha!!!

Foi muito pouco tempo junto com a Dona Marieta. Queria ter falado mais, ouvido mais, beijado mais, abraçado mais, aprendido mais. Queria ter tido tempo de me despedir e dizer que mesmo assim ela seria para sempre. Ela é para sempre.

Espero que hoje seja mais um dia de luz para a minha mãe. Que pelo TUDO que ela foi para eu e a Fê, ela mereça toda a paz que couber naquele coração tão grande.

“Te amo, Dona Maria, muito mesmo.

E a saudade… bem maior que a idade que você completaria hoje… aumenta todo dia… até eu poder te abraçar de novo.

Mas… “nasci sem medo e fui criada sem remédio”… lembra?

Eu aguento… espero… e tenho certeza que vai ser o abraço mais feliz da minha vida.”

Coisa de um “Moço” chamado Denis

quinta-feira, outubro 4th, 2012

Apesar de algumas idas e vindas, trabalho na mesma empresa há muitos anos. E gosto muito de poder dizer isso, principalmente pelos amigos que fiz nesse tempo todo e eu sei que são para a vida toda. Costumo dizer que nos dois prédios da Tokio Marine tem uma boa parte da minha razão de viver… e é verdade. Não se vive 15 anos em um dia, e nem sem levar muitos “pedacinhos” de muita gente no coração.

Mas como deve ser em toda empresa, pelo menos é o que dizem e eu pude ter uma “pequena” prova, pessoas são pessoas e infelizmente os valores ficam totalmente de cabeça para baixo quando se trata de dinheiro, de política, de poder… e “o povo” acaba se esquecendo que tudo isso não vale nada sem respeito, companheirismo, amor… assim a vida vai ficando cada vez mais difícil e chata.

Hoje cheguei no trabalho e encontrei no meu e-mail alguns exemplos de falta total de respeito, de companheirismo, de amor… e de “noção”. Fiquei triste a ponto de falar algumas besteiras para o meu amigo-anjo-chefe Israel, mas como sempre ele me mostrou a “metade cheia do copo”.

Enquanto eu conversava com o Israel, apareceu “o cara” e tomou “a atitude” que “completou o copo”. E por causa dessa dupla eu até consegui acreditar que nem tudo está perdido… 

É claro que enquanto não agradeci “do meu jeito” ao Denis o que ele fez, não consegui sossegar. E aqui está o motivo e o agradecimento… achei que fazia todo o sentido dividir com vocês. O Denis fez uma “Coisa de Moço” muito legal hoje. Aí vai… acho que ninguém vai discordar da minha “modesta” opinião. 

“Sr. Denis, 🙂

Hoje de manhã, quando fui até a sua mesa, eu estava muito chateada com essa empresa e com a postura de algumas pessoas daqui… até desabafei um pouco, você lembra?

A minha vontade, do fundo do coração, era de sumir e não voltar mais. 🙁

Aí percebi que você estava com um problema sério para resolver aí, e o meu “bom senso”, que às vezes não é tão “bom” assim, me fez achar que devia deixar o meu problema para depois… e voltei para os meus “perrengues” e a minha mesa, com sérios planos de te “atormentar” mais tarde.

Mas aí… você não vai acreditar… como eu quase não acreditei… cinco minutos depois você estava do meu lado, para ser “atormentado”, e me pediu desculpas ainda por não poder me atender aquela hora, que a “base de dados” estava caindo na sua cabeça.

Fiquei “bege”… 🙂

Agora falando sério, estou aqui para te agradecer e te dizer que o seu jeito de agir me fez acreditar que alguma coisa por aqui ainda vale a pena… além dos meus amigos queridos, é claro, entre os quais, espero poder dizer que você está. Quem sabe as pessoas param para ver que seguir o seu exemplo de hoje faz a gente viver numa empresa e num mundo melhor. As coisas funcionam assim… e ficam mais leves também.

Você foi “o cara”. Obrigada mesmo.”